INDAGAÇÃO

É realmente intrigante e sugestivo o símbolo da INDAGAÇÃO, ainda mais depois das mais variadas reações sobre os acontecimentos do dia 29 de março. Com efeito, a contundência com que foram tratados os militares da reserva pela turba de irresponsáveis ensandecidos por um ódio que nem eles são capazes de explicar, deixa no ar uma grande indagação que deve estar causando um desconforto em todos nós. Como podemos aferir o nível de repercussão sobre os nossos companheiros da ativa com relação a tudo o que aconteceu? Será que se deram contas de que tudo não passou de um açodamento de todos nós por não termos nada o que fazer na vida de mais importante? Ou então, será que faltou-nos a consciência de que fomos os grandes derrotados de 64 e que as atitudes tomadas não tinham sentido? Será, ainda, que todos devemos entender que como militares da reserva, o silêncio é a melhor opção para responder às afrontas que nos são dirigidas diuturnamente? Será que o conceito de moral e ética já nada mais representa para a nossa vida pessoal e profissional, pois assim desejam os nossos detratores? Será que a formação militar dos últimos tempos foi orientada no sentido de manter-se distante do contexto sócio-político e econômico em que todos estamos inseridos? Será que, dentre tantas outras indagações que ainda poderiam ser feitas, o sentimento de força unificadora capaz de nos fortalecer para a defesa dos superiores interesses do País foi abdicado pela covardia no enfrentamento das ações de desagregação e desmoralização a que são submetidas as nossas FFAA? Essas indagações e tantas outras que ainda fermentam a consciência de velhos e incompreendidos guerreiros que nunca se furtaram em lutar pelo ideal de servir com amor a sua Pátria, precisam ser esclarecidas e respondidas como essenciais ao restabelecimento do clima de paz e de equilíbrio que todos devemos ter para vivenciar momentos de tanta irresponsabilidade e insensatez. Os desafios aí estão, e precisam ser enfrentados, não em razão de nossas concepções pessoais, mas sim em razão do que a sociedade espera dos seus cidadãos fardados, aos quais ela deposita suas esperanças para a interrupção das forças desagregadoras do Estado brasileiro. Com a palavra aqueles a quem a reserva legou a cada uma de suas Forças um passado de honradez e de um denodado espírito de sacrifício ante um inquebrantável desejo de persistir em colocar suas vidas a serviço de seu País. Sustentar o fogo que a vitória é nossa. Ad sumus.


Waldemar da Mouta Campello Filho
Capitão-de-Mar-e-Guerra
Presidente da CONFAMIL
Coordenador do Sistema CONFAMIL

Assine Nossa Newsletter

E Receba nossas novidades em seu email

SCLN 302 - Bloco B - Sala 101
Cep: 70.723-520
Brasília-DF
Brasil

Telefone: (61) 3327-3409